terça-feira, 21 de junho de 2016

EM GREVE HÁ MAIS DE TRÊS MESES, PROFESSORES ESTADUAIS SE JUSTIFICAM COM PAIS

Os profissionais de educação da rede estadual do Rio de Janeiro, em greve desde o dia 2 de março, enviaram um comunicado à população, estendido aos pais e responsáveis, esclarecendo alguns pontos. Alegam os profissionais, por meio do Sepe (Sindicato Estadual dos Profissionais), que nesses três meses de negociação, se depararam com intransigência e lentidão por parte do governo do Estado. Segundo o Sindicato, o novo secretário de Educação, Wagner Victer, descumpriu alguns itens previamente acordados com a categoria. No comunicado, eles enumeram as diversas razões para a paralisação.
A categoria lembra que a greve começou não somente pelo fato de estar a dois anos sem reajuste, mas também por uma série de contradições do governo do Estado, entre elas a demissão de cerca de 5 mil porteiros de todas as escolas da rede, comprometendo a segurança de professores e alunos, além do desemprego gerado. “ Famílias sem esperança”, lamentou o professor Darlon Wersianni.
Outra medida, foi o atraso e o não pagamento de mais de cinco meses de salário aos mais de 9 mil funcionários da limpeza, responsáveis pela higiene das escolas. O não enquadramento dos salários por formação, desde 2013, está também na pauta de reivindicação. Além disso, o descumprimento da Lei quer garante 1/3 de aulas reservadas para planejamento e da Lei que preconiza o direito de Licença Especial aos profissionais de Educação.
Na pauta consta, ainda, eleição direta para a Direção da escolas em todas unidades de ensino, abono das greves de 1993 a 2016, Licença Especial e fim do SAERJ, sistema de avaliação que os professores entendem que não melhorou a qualidade da Educação.
A categoria faz assembléia amanhã (22) na Quadra da Escola de Samba São Clemente, à Avenida Presidente Vargas, nº 3102, Estação Cidade Nova do Metrô.

Nenhum comentário:

Postar um comentário