sábado, 18 de janeiro de 2014

TOM HANKS AINDA PREFERE AS MÁQUINAS DE ESCREVER

Em agosto do ano passado a Folha, em seu caderno Ilustríssima, trouxe um artigo de Tom Hanks, traduzido por Francesca Angiolillo, onde o ator fala de seu carinho pelas saudosas máquinas de escrever. E ele descreve em letras o barulho das máquinas. Como a Remington dos anos 1930, que faz THICK THICK, a Olivetti com o seu FITT, semelhante “balas disparadas pela pistola automática de James Bond ou uma Olympia dos anos 1950, que soa para ele assim: CHAMAI! ME! ISHMAEL!  Hanks demonstrou no artigo ser um verdadeiro aficionado pelas máquinas de escrever.
De cara, ele elenca três razões que, na sua visão, tornam as antigas produtoras de todo o tipo de texto para jornais, livros, revistas etc. superiores a laptops e iPads de última geração. Uma delas é o grande prazer que sente em escrever pequenos bilhetes, avisos para serem fixados na porta da geladeira, aliado ao som emitido pelo barulho das teclas. A segunda razão é o prazer de datilografar e ficar ouvindo o TIC TAC.
Tom Hanks diz: “para ter uma máquina de escrever, é necessário ter espaço e renunciar o luxo fácil da tecla ‘delete’, mas cada centímetro  do que se sacrifica em precisão se conquista em exuberância”.  E finalmente, o ator define, com apenas uma palavra, a terceira razão por trocar os modernos e velozes aparelhos, pelas antigas máquinas: permanência.
Segundo Tom, somente palavras gravadas em pedra duram mais que uma carta datilografada e não há porque se preocupar em usar um corretivo, nem se envergonhar de encobrir com XXXX uma palavra errada. Ele gosta mesmo das antigas e conta uma coleção de 150 máquinas e fez com que também sentisse saudades.

Foto: Wikipédia -

Nenhum comentário:

Postar um comentário