domingo, 26 de janeiro de 2014

JOGOS DE PALAVRAS, TRAÇOS E RISCADOS FAZEM VERSOS

Trago mais versos do passado. Os "traços e rabiscos" escrevi em momento da minha vida que buscava uma companhia, não sabia se seria eterno enquanto durasse. Cheguei até a musicá-lo, mas não me recordo mais da melodia. No "Jogos das Palavras" pensava ter encontrado, mas... estava enganado. 

OS TRAÇOS E RABISCOS DA VIDA

Quero fugir desse traço que tracei
Sem régua, sem esquadro, sem compasso
São passos indecisos que já dei
E se perguntares por onde andei, não sei, não sei...
Hoje sei simplesmente que foi também um voo
Sem sucesso, sem progresso e sem regresso
Uma linha imaginária, sem começo e sem fim
Um horizonte sem um e sem um sim

Quero fugir desse risco que risquei
Sem lápis, sem caneta, na areia apagado
São rabiscos inelegíveis e inacabados
E se perguntares se parei, não sei, não sei...
Estou sempre querendo fugir e sempre acabo
Nesse espaço, nesse vácuo que existe entre eu e “eu”
E se perguntares por onde andei, não sei, não sei...

             *****

JOGO DAS PALAVRAS

No jogo das palavras, três para compor um verso
Flor, passarinho e universo
Não importa qual seja o tema
Um poema é sempre um poema!
A flor simbolizando pureza, mansidão
E a certeza de um passarinho representando a liberdade 
A verdade do universo está num jogo de palavras e une versos
Jogo com palavras num campo
Onde três são pra me levar a sua presença
E mesmo sem pedir licença já entrei em sua vida
Com a flor me desculpo, pela pureza que não cultivei
O passarinho, sua liberdade me fez envolvido
E ao universo só me resta agradecer pela estrela que pôs em meu caminho
Caminho sem me voltar, sem pensar nenhuma bobagem

E a sua lembrança é minha bagagem 

Nenhum comentário:

Postar um comentário