sábado, 20 de abril de 2013

BRASÕES DESTACAVAM PRIMEIROS DONOS DO BRASIL

Ainda sobre índios, é bom lembrar que aqui existiram tribos de Araris e Puris, os verdadeiros proprietários das terras da região. E as intrigas entre fazendeiros e os nativos eram constantes. Por volta de 1808, o capitão José Tomaz da Silva, dono de terras e de gado, conhecidíssimo em Barra Mansa e Resende, optou por métodos diferentes com os primeiros moradores. Ao invés de brigas, conquistou alguns deles que aceitaram trabalhar em suas propriedades. Alguns deixaram aldeias na área de Valença para trabalhar com o fazendeiro.
Mas os índios, em todo o país, não eram bem vistos pelos fazendeiros. E na região não era diferente. Tanto que, em toda a história do Império do Brasil, somente cinco nobres traziam destacadas nos brasões imagens dos indígenas: os barões de Antonina, Barra Mansa, Japaratuba, Rio Negro e Vila Maria. O historiador Alan Carlos Rocha destaca informações do Barão de Rio Negro, Manuel Gomes de Carvalho, natural de Amparo e homem “culto de fino gosto” muito viajado pela Europa. Tendo morado em Paris, onde morreu em 1898.
Palácio Rio Negro, Petrópolis -
Os brasões destes barões sempre destacavam os índios. O Barão de Rio Negro foi responsável pela construção de muitos palacetes e casarões, alguns deles famosos, como o Palácio Rio Negro, em Petrópolis, que em 1903 foi incorporado ao Governo Federal. Desde então passou a ser residência oficial de verão dos presidentes da República. Estiveram nele Rodrigues Alves, Afonso Pena, Nilo Peçanha, Hermes da Fonseca, Wenceslau Brás, Epitácio Pessoa, Artur Bernardes, Washington Luiz, Getúlio Vargas, Gaspar Dutra, Café Filho, Juscelino Kubitschek, João Goulart e Costa e Silva. 

Fonte:Livro Três Caminhos, de Alan Carlos Rocha - Nova Gráfica e Editora de Volta Redonda - Foto e pesquisa: Wikipédia - Palácio Rio Negro -

Nenhum comentário:

Postar um comentário