sexta-feira, 10 de setembro de 2010

GENTE BOA QUE SOFRE, PATIFES QUE PROSPERAM


As tragédias naturais, como a Tsunami do final de 2004, quando ondas gigantes atingiram o litoral de países asiáticos e africanos, ocasionando cerca 100 mil mortes, estão sujeitas a acontecerem, diante das perspectivas do planeta, com a ação humana. O que há controvérsias.
E estas intempéries que acontecem deixam marcas, fotos que chamam a atenção. Por isso, reservo duas. Nas chuvas no Rio de Janeiro, uma adolescente ligando, certamente para a família, em meio à enchente em bairro nobre da zona sul carioca: o contraste da tecnologia com o que a humanidade não consegue evitar. Em outra, o sentimento de um bombeiro diante de uma tragédia, que era para lhes ser normal. Mas, ele é ser humano. Veja que a legenda da foto de O Globo diz tudo.
Ficam algumas ponderações para sua avaliação, que não são as destes bloguista, com relação ao texto do professor titular de Ética e Filosofia Política na Universidade de São Paulo (USP), Renato Janine Ribeiro. O artigo me fez lembrar as fotos no arquivo, e as fotos, o artigo. Mas, não o trago na íntegra.
Quando chegar o final do ano, de forma mais aprofundada, a Internet, os jornais, rádios e canais de TV estarão apresentando sínteses como estas. A chamada retrospectiva que, às vezes, é bom de ver. E nesse “revés” os fatos desagradáveis são os mais destacados. Mas, neste universo cada um tem o seu galardão. Já tenho o meu: a perda de meu irmão, em Março, foi a maior e pior das catástrofes que aconteceu em minha vida este ano.
Com isso, este artigo intitulado "O Fim do Mundo" (se fosse meu, daria este título: Gente Boa que Sofre, Patifes que Prosperam), conforme é citado, objetiva a reflexão e por si só é o paradoxo da dialética. Veja que, para esta apresentação, quis chamar a atenção para as reações naturais, como título e como a impressão que fica em cada um que lê, por diferentes ângulos. E também as imagens. Deixo-as, assim como estas análise, parafraseando o autor, o que suponho ser uma colaboração para reflexão pública.

Este ano está marcado por tragédias naturais. No dia 1º de Janeiro, Angra dos Reis sofreu uma quantidade terrível de mortes, em acidentes pavorosos. Em abril, foi a vez de Niterói. Mais uns dias, e um vulcão na Islândia parou o tráfego aéreo na maior parte da Europa... E certamente há pessoas de forte religião e pouca reflexão que acreditam nesse cenário, isto é, que o pecado seja a causa de um castigo divino. Bons e maus. Seria mais ou menos óbvio Deus premiar os bons e punir os maus. ....Aqui entra o modelo Jó.
Homem temente a Deus, Jó é riquíssimo. Mas o diabo diz ao Senhor que Jó só é tão bom devido a sua prosperidade. Deus então autoriza Satã a destruir tudo o que Jó possui. Mas Jó, a todos os que acusam Deus por mau, responde que o Senhor deu, o Senhor tira. (No fim da história, ele recupera tudo o que perdeu). A história de Jó autoriza dizer que os bons sofrem porque Deus está testando a fé, a bondade e as suas virtudes. Em outras palavras, tudo o que sucede – de bom e mau – neste mundo pode ser explicado em termos religiosos. ... Podemos crer em Deus, sim, mas queremos algo mais sofisticado – que é a Ciência.
(Clique no link acima para ler o texto completo: Eis um texto do professor Renato...)
*Fotos escaneadas de O Globo e Jornal do Brasil
Clique duas vezes para ter as fotos ampliadas.

Nenhum comentário:

Postar um comentário