domingo, 2 de agosto de 2015

CAFARNAUM, NO MAR DA GALILÉIA, FOI A CIDADE ESCOLHIDA POR JESUS DE NAZARÉ

Ruínas de Cafarnaum
Conforme cita Roberto Tannus, em palestra no Acampamento Fé e Milagres, da TV Canção Nova, Cafarnaum e a casa do apóstolo Pedro foram "redescobertas" por historiadores cristão em 1978. O feito provocou uma corrida de anônimos ao local, com o objetivo de tirar um pedaço da construção. Restaram apenas ruínas, tanto da cidade, como da casa de Pedro.
Os feitos de Jesus naquela cidade são falados, com enfase "no milagre da cura de um paralitico", que é levado à presença de Jesus por quatro amigos, pelo telhado da casa. Tannus fixa-se na máxima que “cada um precisa levar o outro para Jesus”, assim como os quatro amigos.
Uma palestra emocionante, que me trouxe um aprendizado profundo, mas, quero me fixar em Cafarnaum. Essa cidade,  talvez uma aldeia, de real importância para o comércio da eṕoca, que me chama a atenção.
Sua grande significação: ser a cidade de Pedro, a escolhida por Jesus, depois de Nazaré, e onde Ele, Jesus, realizou milagres, fez pregações e falou em assembleia publica. 
Isaías já havia profetizado que Ele iria morar naquela cidade, sem citar seu nome, mencionando apenas o território de Zabulon e de Naftali. Aliás, descubro que .Cafarnaum não é citada em nenhum capítulo do antigo testamento.
O fato é que a Cafarnaum bíblica (pois há o município brasileiro de Cafarnaum, na Bahia), não existe mais. Suas ruínas não são autênticas. As estruturas de uma sinagoga existente, conforme a arqueologia, são de uma nova construção, erguida no séc IV d.C, que seria destruída por um terremoto três séculos mais tarde.
Os achados do que seriam as bases da casa de Pedro, também não conferem. Estudiosos já comprovaram que as ruínas são, também, de uma outra construção erigida no local. Algumas fontes, data o achado como na segunda metade do século XX.
Cafarnaum vai continuar a existir, assim como a Galileia,  Decápolis, Judeia, Belém e tantas outras.
Fonte: Canção Nova/Tannus - A Bíblia ORG -  Wikipédia -
Foto: Wikipédia -

Nenhum comentário:

Postar um comentário