terça-feira, 29 de junho de 2010

A PERSONAGEM MAIS FAMOSA DA COPA SE CALA

A personagem mais famosa da Copa de 2010 são as vuvuzelas. O nome e o som para a língua portuguesa é uma mistura de zumbido de abelha, quando coletivamente no estádio; de buzina de carreta ou de o mugido de gado. Há até os que acham que o som lembra uma corneta desafinada ou um assobio soprado errado, em proporção bem mais baixo. O que menos importa é com que parece o barulho produzido por ela. Vale mais o prazer, o mesmo sentimento de quando se solta um rojão de comemoração. Quando tudo acabar, e o campeão se erigir, tudo valeu a pena. Assim também como valeu para aquele que esteve em um estádio africano, viveu o momento, e vai pode dizer para os amigos: “eu estive na copa!” Quando as vuvuzelas se silenciarem, todos vão perceber como elas foram importantes para marcar o presente.
Agora, quando a Copa caminha para uma definição, as vuvuzelas vão perdendo sua força, o conjunto, e vão se calando, junto com as vozes, junto com os gritos. É nesta hora que a ansiedade dá lugar ao choro para alguns e a euforia para outros. Começou assim, foi como um apagar de luzes, no jogo do dia 22 de junho, quando a anfitriã, África do Sul, venceu a França, como fez o México, mas por ter tomado mais gol, com o mesmo adversário, se despediu mais cedo do campeonato. As vuvuzelas cessaram para outras seleções das oitavas do mundial. E se calaram, ontem, para mais dois times: um europeu e outro sul americano.
As ”barulhentas” e as vozes, todas, se calam diante da derrota. E é nela que se denotam a humildade forçada de todos os povos. Foi assim com o México e a poderosa Inglaterra; também com a Coréia do Sul e os denodados Estados Unidos. As vuvuzelas (verde e amarela) ressoaram por todo Brasil, na vitória que deixou entristecida a nação vizinha. No Chile, todas elas ficarão em um canto, pelo menos por enquanto. Os holandeses e os brasileiros, os vitoriosos de ontem, permanecem tocando suas vuvuzelas até que uma derrota, na próxima sexta-feira, dia 2 de julho, às 11 horas, silencie os perdedores. Aqui, na nação tupiniquim, tocam e tocam em todas as casas tudo que exalte a vitória: super sanfona, maraca, tamborins, reco-reco, cuíca, tambor, corneta, buzina, trombone, vuvuzela etc. Que continuem com o barulho por mais três jogos.

Texto de Mauro Cesar

AS VUVUZELAS NA ANÁLISE DE NELSON MOTA

As vuvuzelas foram analisadas pelo jornalista Nelson Mota (crítico musical em décadas passadas), que recente vem escrevendo e fazendo crônicas e comentários interessantes sobre a Seleção Brasileira. Na adaptação feita abaixo, com base em texto publicado no jornal O Globo, de 18 de junho, ele diz sobre o impacto do barulho produzido por elas.

MONSTRO SONORO

A vuvuzela é só uma forma moderna de fazer barulho para incentivar um time. Como já fazia nos anos 60 as Charangas do Flamengo, que batucava na arquibancada, ou uma insuportável banda carnavalesca do Atlético Mineiro, que tornava qualquer partida do Galo um tormento auditivo para todos.
Lembro-me até de um popular torcedor vascaíno que comandava a torcida com uma corneta feita de um longo talo de mamona. Era a ecovuvuzela, altossustentável; as africanas são de plásticos e certamente feitas na China.
Também não me saem da memória auditiva as tonitruantes buzinas de ar comprimido, em tubos de aerosol, ecologicamente incorretíssimas, que os italianos e alemães lançaram na Copa da Espanha, em 1982, e que infernizaram todos que tiveram a desventura de estar no raio de um quilômetro daquele abominável som. A sonoridade ácida e metálica dessas buzinas é tão inesquecível quanto a nossa derrota no Sarriá.
Ainda bem que são só as vuvuzelas, pior seriam milhares de buzinas de ar comprimido tocando ao mesmo tempo, como uma manada de caminhões selvagens trompeteando a era da boçalidade. Mas o tempo e a bola é que vão dizer se as vuvuzelas vão ficar em nossa memória afetiva como um zumbido infernal ou como a doce trilha sonora da vitória.
Proibi-las seria visto como uma afronta a livre expressão da cultura nacional, e talvez até racismo. O que fez da vuvuzela um pesadelo não foi o som, mas o incentivo ao uso massivo, uníssono intermitente. Quem mandou achar graça? Assim se cria um monstro sonoro.
Nelson Mota é jornalista

Nenhum comentário:

Postar um comentário