sábado, 26 de junho de 2010

IDADE MÉDIA NÃO É SINÔNIMA DE MIL ANOS DE BRUXARIAS, IMPIEDADE E IGNORÂNCIA

A Idade Média, estudada por alunos do Ensino Fundamental e Ensino Médio, representa o período que se deu entre a queda do último imperador romano - resultado das invasões germânicas, marcando o fim da Antiguidade, e o ano de 1453, quando a cidade de Constantinopla foi conquista pelos turcos. Foi um período riquíssimo de acontecimentos que refletem nas sociedades atuais. Antiguidade, Idade Média Idade Moderna ou Contemporânea, são períodos classificados pela historiografia, uma forma encontrada para facilitar o seu o estudo. Portanto, o termo Idade Média é o somatório da vida de diversas sociedades, no confronto com a realidade do mundo de diversos reinos e impérios até chegar às repúblicas atuais. Inclusive, à brasileira. E a História do Brasil não é estudada desvinculada deste período “célebre”.


E não é fácil para professores, sociólogos, historiadores reterem na mente todos os pormenores daquele período. É ainda mais difícil para uma pessoa comum. Sabe-se que muita coisa do mundo atual tem referência com a Idade Média, que é o tempo passado. Hoje, com mais riqueza de dados e informações, comuns a qualquer um, com Internet. Isso faz com que todos, mesmos leigos e sabedores da história estudada na escola, se sintam no direito de opinar ou fazer comentários ou associações, muitas das quais equivocadas. O resultado é que historiadores e estudiosos protestam e com razão. Abaixo segue um texto, publicado no jornal A Folha de São Paulo, na seção Semana do Leitor, de nove de maio de 2010, onde a doutora em História Débora Aparecida Maia, de Juiz de Fora, Minas Gerais,deixa o seu protesto.

IDADE MÉDIA

Tenho notado com freqüência, nas cartas dos leitores, muitas expressões pejorativas com relação à Idade Média, período longo e rico de nossa história. Termos como “medieval”, usado para designar “idade das trevas”, “tempo de obscurantismo” ou alguém atrasado, retrógado, não deveriam ser usados por quem não tem o conhecimento objetivo da nossa história. Nas cartas sobre a Igreja Católica, sempre surge o termo “medieval” de forma preconceituosa e inadequada, como se fosse uma ofensa. Os que acham que a Idade Média foram mil anos em que bruxarias, impiedade e ignorância predominaram demonstram ignorância sobre esse período e comungam dos preconceitos daqueles que classificaram a história em quatro idades artificiais.
DÉBORA APARECIDA MAIA, doutora em História (Juiz de Fora/MG).

Nenhum comentário:

Postar um comentário