sexta-feira, 18 de junho de 2010

O DESTINO FINAL DO CELULAR

Imagine um mundo sem celular. Não seria o caos da humanidade, mas, com certeza elevaria o nível de stress de muitos: dos dependentes dos negócios (bolsa de valores, vendedores de ações, etc.); dos dependentes da família e filhos; e dos enamorados. Em uma breve pesquisa feita, constatei dois lados extremos: os totalmente dependentes do aparelho e aqueles que têm ojeriza aos mesmos. Um professor, amigo meu, nunca teve um celular e diz que nunca pretende ter. Outro se aporrinhou com as cobranças no trabalho e o jogou fora. Um primo quebrou o dele no chão da cozinha depois que a namorada começou a vasculhar e questionar sobre os números desconhecidos de mulheres em seu celular. Ganhou outro da mesma.
Trabalhei com um, separado, amante da noite e das serestas, que vivia recusando propostas das “coroas” com as quais “ficava”. Dizia: “se aceito o celular de presente, ela vai querer me controlar e ai... acabam os namoros.”

Alguns destinos finais de celular chama à atenção. Estava com minha mulher no “Marujos Lanches”, quando a proprietária falou do celular encontrado no vaso. A minha filha de sete anos foi quem viu, informou minha mulher depois. Garanto que não foi procurado e provavelmente a pessoa nem viu cair. Presenciei certa vez um carro se arrancar e o telefone espatifar na rua. Em outra ocasião vi um motorista colocar o celular no teto do veículo, para guardar outras coisas no banco traseiro. Ficou por segundos revirando os bolsos e procurando alguma coisa na pasta e quase senta ao volante. Este, eu riria avisá-lo.

O fundo de uma caixa d’água. É onde foi parar o celular de um conhecido. Existem latas de lixo riquíssimas, afinal quantas coisas de valor vão parar no lixo por engano! E muitos celulares, em ótimo estado, já foram encontrados em lata de lixo. A exposição ao sol e a água de sal são prejudiciais ao celular, mas, maioria dos banhistas não deixa o seu em casa. E muitos são esquecidos na praia. O fundo do mar, por onde passa os fios de fibra ótica que transportam as informações da Internet pelo mundo, deve abrigar muitos celulares de pescadores, marinheiros e viajantes.

Um exemplo pessoal : TIJOLÃO QUASE CAI EM LAGO DE SÃO LOURENÇO
Na segunda metade da década de 1990, época ainda dos “tijolões”, o meu quase ficou em um lago nas estações da águas, no sul de Minas. Estava a passeio, com parentes, no parque municipal de São Lourenço/MG e orientava uma prima a fotografar (na verdade temia que ela deixasse cair minha máquina fotográfica), fui afastando, afastando e ai... cai no lago. Fui salvo pelo meu cunhado, que me puxou pelos braços. O tijolão molhou, mas não se desprendeu da cintura. (lembra do celular tijolão, do cumprimento de um garfo?) Já em Barra Mansa, consegui recuperá-lo, mas nunca funcionou como antes e agora parou de vez (ainda o tenho).
Teria histórias diversas sobre destino final de celular. E quem me lê, talvez, tenha algumas melhores. Mande se quiser, pelo comentário.
Abaixo, ficam as dicas de prevenção, adaptadas com base no site da Anatel.
Prevenir é melhor do que ter que comprar outro celular.
CUIDADOS COM O CELULAR

Alguns cuidados básicos que devem ser observados ao ser usar baterias de íon de Lítio para telefones celulares.
Evite deixar o celular exposto no sol (dentro do carro, em janelas, piscina, etc.). Não o esqueça carregando “abandonado” em casa ou no carro – pode ser perigoso. Nem exposto à umidade no banheiro, sauna, etc. Siga as recomendações de tempo de carga da bateria, conforme especificado no manual.
Ao colocá-lo para carregar, procure sempre o local arejado da casa, de preferência, em local onde ninguém esteja dormindo. Se o celular cair na água, não o ligue. Leve-o a uma loja autorizada. Nunca utilize carregadores ou baterias de procedência duvidosa.
Evite colocar o celular no bolso junto com molho de chaves. Atente para que, ao colocá-lo no bolso ou em bolsa, não fique em contato com moedas, clipes ou quaisquer outros artefatos metálicos que possa provocar curto-circuito. Procure nunca comprimi-lo no bolso. É bom também que ele fique distante do computador, quando estiver digitando.
Caso note alguma irregularidade: superaquecimento da bateria, deformação, mau contato; aumento de volume, apitos estranhos, etc. – procure assistência técnica autorizada. Não abra o compartimento da bateria com o celular ligado.
As baterias de íon de Lítio inutilizadas não podem ser descartadas em lixos comuns, procure locais apropriados, assim como pilhas, luz de neon ou fluorescente.

Nenhum comentário:

Postar um comentário