segunda-feira, 14 de junho de 2010

O JARDIM DAS PREGUIÇAS AINDA É UM PARQUE DOS SONHOS

Em Barra Mansa há um espaço público com mais de cem anos, de nome popular Parque das Preguiças ou Jardim das Preguiças, mas a denominação oficial é Praça Ponce de Leon e por de Lei Municipal se tornou Parque Centenário. Conheci o parque com os horrorosos banheiros fétidos, onde também era ponto de parada de prostitutas. Naquela época, na ingenuidade de adolescente, usei muitas vezes o local, mal cheiroso, para se encontrar furtivamente com minha primeira namorada, estudante do Colégio SABEC. Já existiam pombos, micos, cotias e uma diversidade de pássaros, principalmente periquitos, mas a grande atração era o bicho preguiça. As pessoas desprendiam horas de seu tempo para observar o animal em sua trajetória lenta em tronco de árvore. Hoje, isso ocorre quando o animal está nas grades que circundam o jardim, chamando a atenção de populares, a maioria ignorante à sua existência.

A flora riquíssima que já existiu no maior jardim urbano de Barra Mansa, foi trazida pelo botânico francês August François Marie Glaziou, em 1874. Ele trouxe na ocasião espécies de vários pontos do mundo: a Canfoneira do Ceilão, as Figueiras da Índia, as Palmeiras Imperiais das Antilhas, as Esterculas Fétidas da China e as primeiras mudas de eucaliptos australianos plantados no Brasil. Segundo o historiador barramansense Alan Carlos Rocha, das plantas mencionadas, as esterculas chinesas sãos as únicas, daquele período, que ainda existem no Parque das Preguiças. Marie Glaziou, que havia terminado a reforma do Campo Santana, no Rio de Janeiro, transformou o espaço, quase um pântano e próximo às margens do rio (Paraíba do Sul), em um verdadeiro sonho, ao estilo francês.

Imaginem a visão que se tinha do parque, em uma época de inexistência de grandes construções e a ausência de carros. Mas, ainda é um grande e bonito jardim, o único parque floresta e mais exótico da região, com características uniformes. Se vier um dia a Barra Mansa, não deixe de visitar o Parque Centenário. A visão está longe do “glamour” do final do século XIX, mas o verde, as plantas e os bichos, aliado à lembrança, vão lhe trazer paz e serenidade. “O nosso parque sofreu sucessivas reformas que o descaracterizaram”, observa historiador Alan Carlos, que não gosta que o mesmo seja chamado de parque ou jardim das Preguiças. Ele lembra em seu livro (Três Caminhos, da Nova Gráfica e Editora), que atualmente há uma lei municipal proibindo a construção de banheiros no parque e a colocação de brinquedos.

“Nosso parque é para reflexão e descanso e não parque de diversões... que não seja confundido com um jardim ou pracinha, que haja a imediata providência de se replantar o local com árvores frondosas... sugiro ainda, a feitura de um banco de mudas das espécies existentes para serem distribuídas à população...” palavras de Alan Carlos, responsável pelo arquivo da Câmara de Vereadores de Barra Mansa, onde trabalha há mais de 30 anos e defensor, não somente do parque, mas de toda a história da cidade.

]

2 comentários:

  1. Jardim das Fantasias

    Corre ...
    Voe leve ...
    Feito lebre,
    Me leve ...
    Vou seguir seu jeito de correr,
    Vou seguir você...
    Menina linda,
    Mulher querida.
    Amiga de sonhos.
    No Jardim das Preguiças,
    Jardim das delícias...
    Das crianças da cidade,
    De amores e de saudades....

    ResponderExcluir
  2. Nasci nessa cidade em 1952 e ao contrário do que disseram na reportagem da Globo, que as preguiças são de 1970, pois me lembro da existência das mesmas em 1958, quando eu tinha 6 anos, e meu pai me levava a esse jardim para ver os animais, entre elas a preguiça, que nunca esqueci. Ubirajara Kelly

    ResponderExcluir