domingo, 9 de outubro de 2016

O DIA E A NOITE NA COR NEGRA DO ASFALTO DA EVOLUÇÃO HUMANA

O dia é claro, com nuvens brancas e um fundo azul
com verde, asfalto e carros que trafegam
guiados por pessoas que nem o notam passar.
A noite é escura, obviamente, porém com penumbras
formadas a partir dos faróis e das luzes das marquises
de postes mal iluminados, que a fazem tênue.

O dia é assim, formado de dias e de noites,
com nuvens brancas e um fundo azul, às vezes nublados,
outros com chuva.
À noite não se vê o verde da natureza,
nem a cor negra do asfalto da evolução humana.
Mas, do mesmo jeito, os motoristas, 
envolvidos na correria da vida,
dentro de carros ou não, não a notam.

A noite é assim, a parte que completa 
o que é chamado de dia; 
o dia que ainda tem uma noite porvir
Nada como “um dia após o outro”,
não é comum dizer: “nada como uma noite após a outra”.
É escura, com penumbras.
Mesmo que hajam holofotes, luzes, velas ou lanternas,
a noite sempre será tênue.

Poema de Cesar Dulcidi - Feito em 7 de Outubro -

Nenhum comentário:

Postar um comentário